Image Map

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Detalhes sobre o episódio The New Rachel


Confira a matéria traduzida do repórter da Tv Line que já assistiu ao episódio 4x01 ''The New Rachel'' e contou um pouco sobre os detalhes do episódio.

 A Fall Season chegou, e estou aguçado para dizer que eu tive a chance de assistir a esteia da quarta temporada de Glee. Boas notícias? Para os que estavam se preocupando com o novo foco múltiplo entre as aventuras da gangue do New Directions em Lima, e da “mais valiosa” formada Rachel Berry em Nova York, podem liberar a Whitney Houston dentro de vocês e respirarem aliviados.
Ryan Murphy e companhia conseguiram, pelo menos no primeiro episódio, administrar lindamente essas locações, de um jeito sem parecer esquizofrênico ou desajustado. A vida de Rachel como novata na NYADA está preenchida com um nível perfeito de ansiedade e tensão, que você espera de um peixinho que acabou de ser pescado de um viveiro no meio do oceano Atlântico. E o enorme vácuo deixado no McKinley com a saída de Rachel, Finn, Kurt, Mercedes e Santana dá aos “personagens de apoio” um ângulo diferente de interpretação.
Aqui vão 13 observações que eu fiz em casa sobre o muito, muito bom “The New Rachel”:
Clique em Continue Lendo.


- Cassandra July (Kate Hudson) começa a humilhar Rachel (Lea Michele) já no comecinho do episódio – e embora seja 98% arbitrário, tem que ser dito que a veterana do New Directions chama atenção para si com uma justificada (porém não totalmente disfarçada) olhada de lado para a sua nova professora.
- Jacob Bem Israel está de volta para fazer sua comum exposição/comentário de metas de começo de temporada, e o seu vídeo termina com uma pergunta incendiária que pode levar a temporada inteira para ser respondida: “Quem é a nova Rachel?” - Tina fez uma nova tatuagem “Make Change Forever” (mudar para sempre), e se você repetir essa palavras algumas vezes, talvez você desvende o seu significado
- A estreia da temporada também levanta outra questão importante: Se você fica sem ver seu namorado por dois meses, é normal ir olhar algumas vitrines?
- A nova Cherrio Kitty (Becca Tobin) imediatamente consagra seu título de má quando atormenta o visitante formado Kurt, perguntando por que ele ainda não está na faculdade. E solta essa: “Achava que gays eram todos mega empreendedores de sucesso”.
- Smash não é o único musical de TV que está exagerando um pouco na bajulação da estrela visitante.
- Marley (Melissa Benoist) é apresentada com uma história de rasgar o corção, é impossível não criar raízes por ela. Dito isso, a metade “New York State of Mind” de Rachel é decididamente superior.
- A sala circular da NYADA é muito bonita. Mas às vezes coisas feias acontecem nela.
- Lea Michele nunca esteve tão perfeita como Rachel quanto no verso “I feel like I’m gonna throw up the time” (sinto como se fosse jogar o tempo para cima).
- Oh, uma observação relacionada. Cassandra é apresentada como um tipo de professora malvada e repetitiva, mas isso não quer dizer que você não vai secretamente sentir que Rachel merece (um pouquinho) e que pode tirar (muitas) lições dos métodos bárbaros de aprendizagem.
- Mike O’Malley usa novamente segundos de tempo no ar para o brilhante (e causador de soluços) Pai do Ano/Década na TV, Burt Hummel.
- Kitty toma o lugar de Santana como Capitã no cargo de Dar Apelidos Maldosos. Melhor até agora? “Richie Poor”(pobre riquinha).
- E finalmente, enquanto eu ainda não tenho 100% de certeza de que Alex Newell consegue atuar, ele ganhou vários pontos (e arrancou muitas risadas) com a primeira raspadinha de Unique. “Os olhos da Unique! Estão pegando fogo!”. Garota, continue mantendo essa atitude “para cima”, okay?

Nenhum comentário:

Postar um comentário